Principal

whatsapp-image-2016-11-30-at-17-58-38

O GEAP – Grupo Estadual de Ação Política, teve a sua inspiração na ” Carta da Maçonaria Paulista Contra a Corrupção” que foi editada em 20 de Agosto de 2007 e lançada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, amplamente divulgada em vários  periódicos da mídia impressa.

Destacamos um importante tópico desse histórico documento:

” … Combater a corrupção em todas as suas formas, é um dever maçônico e uma exigência da sociedade, acabando com essa epidemia social que subtrai do povo a possibilidade de uma vida digna e o pleno exercício da cidadania, negando a todos o direito à esperança de um futuro melhor…”

O GOSP- Grande Oriente de São Paulo, cerrou fileiras com o MPF- Ministério Público Federal apoiando o Projeto de Lei de Iniciativa Popular – ” 10 Medidas Contra a Corrupção” subscrevendo-o com milhares de assinaturas de seus membros, cumprindo assim, outra vertente da “Carta”, qual seja:

“…Estimular todos os maçons para que se transformem em focos permanentes de luta contra a corrupção na sociedade, trabalhando ainda para difundir essa luta junto à todos os cidadãos com quem convivem..”

Neste diapasão, repudiamos qualquer anistia a crimes cometidos em processos eleitorais passados e a alteração sobre o texto original do Projeto, máxime, àquele que sob o dístico do “abuso de autoridade”, objetiva o engessamento das investigações do MPF e de atos judiciais, tudo no objetivo de coibir ou “amordaçar” investigações focadas na corrupção, obviamente, assegurado o livre contraditório e o amplo direito de defesa, garantidos na Constituição Federal Brasileira.

O direito de petiçao, seja ele público ou privado, é um dos pressupostos do princípio democrático e coibir esse direito ou constranger esse exercício legal, fere os mais comezinhos princípios da moral, da ética, da cidadania, com o qual não referendamos e repudiamos veementemente.

Não se pode em nome do livre exercício da cidadania, admitir qualquer ação proposta ou opinião emitida, por mais simples ou complexa que seja, reverta em objeto de ação de responsabilidade contra juízes, membros do Ministério Público ou da advocacia, sob pena de violação ao cumprimento do dever legal e do livre exercício profissional, seja ele qual for.

Recentemente aprovado o inesperado Projeto de Lei que versa sobre “abuso de autoridade”, em paralelo, mudanças na tipificação do crime de enriquecimento ilícito, mudanças na prescrição de crimes e a facilitação do confisco de bens oriundos da corrupção, quebram, sobremaneira, as melhores intenções já articuladas em um Projeto. Continuaremos na luta pelo resgate da dignidade no exercício do poder e envidaremos  todos nossos esforços na Câmara Revisional (Senado Federal) e ate mesmo na sanção presidencial, demonstrando de modo Pacífico e sereno o inconformismo que acomete grande parte da população com a aprovação desse Projeto, por muitos titulados como “lei da mordaça”

Nas palavras do Procurador Geral da República, Dr Rodrigo Janot:

” As 10 Medidas contra a corrupção não existem mais. O Ministério Público Brasileiro não apoia o texto que restou, uma pálida sombra das propostas que nos aproximariam de boas práticas mundiais. O Ministério Público seguirá sua trajetória de serviço ao povo brasileiro, na perspectiva de luta contra o desvio de dinheiro público e o roubo das esperanças de um país melhor para todos nós…”

E é esse posicionamento, com a mesma
Intensidade de frustração, que nos alinhamos com o Ministério Público Federal.

Para o bem das gerações futuras e pela punição aos corruptos e sem princípios que abusam da confiança do povo, firmamos o nosso compromisso de trilhar os caminhos da ética, da probidade administrativa e da moralidade pública, como norteadores de uma sociedade justa e perfeita.

Benedito Ballouk
Grão Mestre
GOSP-GOB


GEAP-SP faz primeira reunião com candidatos eleitos em 2016

Em noite histórica, maçons que assumirão cargos de prefeitos e vereadores em São Paulo puderam estreitar laços entre o próximo mandato e a Maçonaria

 

O Grupo Estadual de Ação Política (GEAP-SP) realizou nesta quinta-feira (24) a primeira reunião com os candidatos apoiados pela Maçonaria durante as campanhas municipais de 2016 em São Paulo.

O encontro ocorreu no Auditório Franco Montoro da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP), Zona Sul da capital, e contou com mais de 100 prefeitos e vereadores eleitos de diversas cidades, vice-prefeitos, secretários, deputados, veneráveis mestres e autoridades maçônicas.

O presidente do GEAP, Sérgio Rodrigues Jr., abriu o encontro lembrando que a Maçonaria tem presença marcante em todos os municípios e pode colaborar muito com os candidatos eleitos na construção de uma sociedade mais justa e fraterna.

Segundo ele, dentre as atuações do grupo estará a prestação de uma assessoria técnica aos políticos em áreas que não são de sua origem. “Quando um vereador se prepara para discutir na Câmara uma matéria da qual ele não tem conhecimento técnico suficiente, por exemplo, nas nossas fileiras encontrará pessoas habilitadas a ajudar voluntariamente. É um trabalho sem conotação partidária”, explicou.

O proponente do encontro na ALESP, deputado estadual Itamar Borges, afirmou que a Maçonaria pode ser uma interlocução de soluções e parcerias, e deu uma importante sugestão aos presentes.

“Nós temos o Grupo Local de Ação Política (GLAP) e o Grupo Regional de Ação Política (GRAP), instrumentos que o GEAP oferece. Vereadores, prefeitos e vice-prefeitos, levem isso a suas cidades, dialoguem com os veneráveis mestres, envolvam as lojas. A Maçonaria pode trazer muita qualidade de resultado na gestão e no mandato de cada um com essa parceria que é oferecida”, incentivou o parlamentar.

Para o vice-governador do Estado de São Paulo, Márcio França, que compartilhou diversas histórias e experiências, a política é indispensável no desenvolvimento da sociedade. “Não há espaço para nenhuma solução sem que haja política. Na Democracia você elege e, se não gostou, você tira. A Ordem consegue fazer isso”, frisou.

Todos os candidatos apoiados pelo GEAP que assumirão cargos de prefeitos e vereadores a partir de janeiro foram indicados por lojas do Grande Oriente de São Paulo (GOSP), da Grande Loja Maçônica do Estado de São Paulo (GLESP) e do Grande Oriente Paulista (GOP).

O Grão-Mestre do GOSP, Benedito Marques Ballouk Filho, destacou a responsabilidade dos maçons em representarem uma instituição com 194 anos de atividade proativa sem nenhuma mácula no Brasil.

“O GEAP é uma pedra bruta e a cada dia nós a lapidamos. O mais importante é a responsabilidade política, a ética, a probidade administrativa e a moralidade pública. Que nos próximos passos o programa faça com que as nossas lojas sejam as verdadeiras cobridoras da sociedade”, desejou o Grão-Mestre.

O coordenador do GEAP na GLESP, Nilson Ricardo Machado, acredita que a reunião expôs a necessidade da relação entre a política e a Ordem. “O evento de hoje é fundamental tanto para o posicionamento da Maçonaria na política quanto para a política conhecer o que nós podemos fazer por eles, como fizemos nas últimas eleições”, salientou.

Já o Grão-Mestre do Grande Oriente Paulista, Pascoal Marracini, destacou a união entre as potências. “Para nós é fantástico, porque mostra o congraçamento das três potências maçônicas. A Maçonaria precisa dessa união, ainda mais em prol dos candidatos que foram apoiados. Nós precisamos ter um olhar especial para o GEAP, pois com ele crescendo a Maçonaria também cresce”, disse.

O Poderoso Secretário Estadual de Relações Públicas do GOSP, Roque Cortes Pereira, ressaltou que um significativo resultado a partir da relação entre Maçonaria e política é o projeto de lei que inclui a disciplina “Cidadania” na grade curricular do ensino fundamental em São Paulo e já está em tramitação na ALESP.

No evento, o vereador paulistano Mario Covas Neto, que ao lado do prefeito eleito de Espírito Santo do Pinhal, Sergio Bianchi, representou todos os irmãos que assumirão cargos em 2017, sugeriu que a Câmara Municipal de São Paulo também receba mais encontros do GEAP para discutir questões relacionadas com a cidade.

Compuseram a mesa: o presidente do GEAP-SP, Sérgio Rodrigues Jr.; o Grão-Mestre do GOSP, Benedito Marques Ballouk Filho; o Grão-Mestre do GOP, Pascoal Marracini; o representante do Grão-Mestre da GLESP, Ronaldo Fernandes; o vice-governador Márcio França; secretário-adjunto de Turismo do Estado de São Paulo, Romildo Campello; e os deputados estaduais Itamar Borges, Aldo Demarchi e Welson Gasparini.

Por: David Nascimento


Debate para candidatos a Prefeito de Jundiaí

08 09 14 17

Na quarta-feira, dia 28/09, o GLAP Jundiaí, com apoio da AMJ, IAJUN, Faculdade Anhanguera e das Filhas de Jó do Bethel #22 “Lótus” de Jundiaí, realizou o último debate entre os seis candidatos a prefeito.

04 13


Palestra do candidato João Dória Jr.

doria02 doria01

O candidato a Prefeito da cidade de São Paulo, João Doria Jr. 45 (PSDB) atendeu ao convite do GEAP e compareceu na noite de ontem ao auditório da Associação Comercial de São Paulo – distrital centro, para expor aos Maçons e seus convidados sobre seus planos para a cidade, onde destacamos:

  1. Elaboração de um plano para contratação de hospitais privados para que realizem exames no período noturno aos cidadãos que precisam ser atendidos pelo serviço público, com uma meta de zerar a fila de exames em até 1 ano de gestão;
  2. Tolerância Zero com a Corrupção, afastando servidores com fortes suspeitas de envolvimento. A população, os empresários que fornecem para PMSP terão disponível aplicativo de celular para informar ilícitos;
  3. A velocidade permitida para os veículos nas marginais Tietê e Pinheiros serão alteradas e voltarão aos valores técnicamente corretos após 1 semana de governo. Promete o fim da “indústria das multas”;
  4. Amplo uso da tecnologia na gestão pública em todas as áreas;
  5. Serão revistas as ciclovias inadequadas e mantidas as que estão corretas. É favorável às ciclovias, mas desde que bem feitas, onde há demanda e a custo razoável;
  6. Poupa tempo municipal em todas as sub-prefeituras.

Comentou ainda que por ser um empresário bem sucedido não necessita do salário de prefeito e doará os 48 salários (4 anos) a instituições benemerentes.
Por fim convidou alguns dos irmãos presentes a comporem grupos de trabalhos voluntários que serão uma espécie de conselho consultivo da gestão.
O GEAP agrade a Associação Comercial de São Paulo pela cessão do auditório.

doria03

Evento com o candidato João Dória Jr., no auditório da Associação Comercial.


geap-logo

Próximos Eventos do GEAP-SP

Reserve na sua agenda

 

  • 13/09 – Encontro com João Dória Jr.
  • 15/09 – Encontro com Major Olímpio
  • 20/09 – Encontro com Marta Suplicy
  • 23/09 – Encontro com Levy Fidelix

Todos os eventos ocorrerão na Rua Galvão Bueno, 82, São Paulo – SP


mario_covas

O Grupo Local de Ação Política – Centro promove a apresentação das propostas do candidato a vereador Mário Covas Neto. Para se inscrever acesse: https://goo.gl/forms/G17q5ntoN72YXIeN2


14206228_1857957734436195_7248010275655926717_o

E recomeça o ciclo de palestras, promovidas pelo GEAP-SP, com os candidatos do pleito atual. Palestra com o candidato à prefeitura de São Paulo, João Dória Jr., para exposição de suas propostas e plataforma de governo. Mais uma iniciativa do GEAP-SP, visando promover o debate de ideias na sociedade, tornando-a mais politizada, e consciente de seu papel.


Screen Shot 2016-07-26 at 01.21.36

Reinserção da Maçonaria na política brasileira

Maçons buscam nomes comprometidos com a ética e a cidadania para apoiar nas eleições

(Matéria do Estadão: 23 Julho 2016)

Pela conjunção de uma série de fatores, o Brasil passa pelo que alguns chamam de “era dos escândalos”. Seja na TV ou no rádio, nos jornais ou no computador, na fila do banco ou nas conversas do trabalho, somos bombardeados diariamente por incontáveis manchetes e notícias sobre corrupção, envolvendo empresas, partidos e a classe política em geral.

Há quem atribua esse fato a uma escalada dos esquemas que desviam recursos públicos, enquanto outros entendem que estamos assistindo a um aumento sistemático da força empreendida em investigar e tornar públicos esses crimes. De uma maneira ou de outra, a verdade é que vivemos um momento político ímpar.

Nunca antes se falou tanto em corrupção, assim como nunca antes uma bandeira contra ela foi levantada por parcela tão expressiva da população. Extirpar esse câncer que corrói o tecido social de nossa Pátria passou a ser questão de honra para muitos, em razão do aclaramento da consciência cívica dos brasileiros.

Diante desse cenário, nossa responsabilidade cívica vai além do voto, princípio básico de uma democracia. Hoje, falar, pensar e fazer política deixou de ser uma atividade exercida a cada quatro ou dois anos, mas algo permanente, enraizado em nossas relações e permeando o nosso dia a dia. Com a sociedade civil organizada não seria diferente.

A luta contra a corrupção e o resgate da dignidade no exercício do poder já mobiliza instituições civis por todo o Brasil, de organizações de classe a grupos, institutos e ONGs. É uma batalha diária pela mobilização em prol da retomada do protagonismo político, norteada pela visão da política como ferramenta única de transformação social; que não pode ser vista como algo simples, sem interesse ou importância. Como dizia Platão, “a desgraça dos que não gostam da política é que são governados pelos que gostam”. Alguns não só gostam, como a utilizam em proveito próprio – e são esses que devem ser banidos da vida pública.

É assim, fazendo parte desse coro que clama por medidas emergenciais de mudança, que a Maçonaria do Estado de São Paulo busca seu protagonismo e o resgate do seu passado histórico de lutas e conquistas para a construção da nossa Pátria. A Ordem Maçônica esteve presente em momentos fundamentais da nossa História, como a Independência do Brasil, a Proclamação da República, a abolição da escravatura, a redemocratização do País e outros eventos marcantes, sempre altiva e coadjuvante no progresso e na evolução de nossa gente e de nossa Pátria.

Hoje lutamos pela mudança desse cenário caótico, tornando público o ímpeto da Maçonaria de estar inserida, juntamente com outras organizações da sociedade civil, no mesmo coro por uma renovação nacional. Com esse foco os maçons paulistas instituíram e têm ampliado sistematicamente o Grupo Estadual de Ação Política (Geap-SP). Essa iniciativa reúne associados das três Obediências Maçônicas do Estado, do Grande Oriente de São Paulo (Gosp), da Grande Loja do Estado de São Paulo (Glesp) e do Grande Oriente Paulista (GOP), e tem um objetivo único e simples: lutar para a construção de uma classe política brasileira composta por pessoas dotadas de valores éticos e comprometidas com a Pátria e o bem comum. Entendemos que o Brasil é um país promissor, que necessita investir na educação de base para o surgimento de uma nova geração comprometida com esses nobres princípios.

Essa proposta não é utópica nem ingênua, mas um exemplo de mobilização da sociedade civil que já funciona e se expande. O Geap coordena grupos locais e incentiva as lojas maçônicas a estar cada vez mais próximas do processo político nesse ideário, principalmente neste ano de eleições municipais. Combater a ignorância do voto nulo e o desprezo ao próprio voto, a única ferramenta capaz de realizar as mudanças tão necessárias para um País livre do jugo da corrupção e voltado para o progresso, como uma das maiores nações do mundo.

Assim, os maçons passaram a receber os candidatos eletivos, deles buscando compromissos que visam a resgatar a ética e a cidadania. Mais do que isso, esse grupo político atua identificando potenciais lideranças maçônicas ou de outras esferas sociais que possam representar esses ideais da transformação da sociedade. Todos esses candidatos podem, então, solicitar o apoio da Maçonaria, sendo possível orientá-los sobre o processo de filiação aos partidos políticos antes mesmo de as coligações serem feitas, participando assim da formação estratégica dessas lideranças, sejam tais candidatos maçons ou não. O essencial é que eles sejam comprometidos com a ética, com a probidade administrativa e com a moralidade pública.

O mais importante , porém, é a contrapartida exigida. Fazendo parte ou não da Maçonaria, todos os candidatos que buscam esse apoio assinam um termo de compromisso, garantindo não apenas sua conduta e suas intenções, mas se predispondo a realizar visitas periódicas depois de eleitos para a prestação de contas de suas ações enquanto representantes da população.

Esse é um exemplo de atuação da sociedade civil organizada, que não apenas ajuda a identificar e apoiar nomes que possam substituir os corruptos instalados no poder público, mas também fiscaliza suas ações após o processo eleitoral. Um trabalho que deve ser realizado de forma constante e coletiva, já que nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos.

Nosso papel é fazer uma interface do discurso maçônico com a prática cidadã, atuando na evolução da sociedade por meio do exercício direto da política. É uma forma de revolução pacífica, cívica e democrática, permitindo, assim, a construção de um País melhor para todos e para as gerações futuras.

* BENEDITO MARQUES BALLOUK FILHO É ADVOGADO, GRÃO-MESTRE ESTADUAL DO GRANDE ORIENTE DE SÃO PAULO, REPRESENTANTE DE MAIS DE 24 MIL MAÇONS PRESENTES EM CENTENAS DE MUNICÍPIOS PAULISTAS

Fonte: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,reinsercao-da-maconaria-na-politica-brasileira,10000064534


Queremos e vamos acabar com  a corrupção no Brasil.

Temos um plano, e precisamos de sua ajuda.

Um comerciante se uniu a uma dona de casa, a um aposentado e a uma estudante para saber: “como evitar a corrupção com o dinheiro público? ” Eles descobriram, e já uniram 3.000 cidadãos, em 105 cidades, em 19 estados brasileiros. Nascia, ali, o Observatório Social do Brasil.

O resultado? Esse grupo de pessoas comuns já economizou para os cidadãos mais de R$ 1.500.000.000 (um bilhão e meio de reais), evitando que fossem desperdiçados os recursos dos cofres públicos. O método é simples: Transparência, Mobilização, Controle Cidadão para gerar a Eficiência dos Gastos Públicos.

Nosso país é rico, tem um PIB de quase R$ 3 trilhões! Mas perde muito para a corrupção. Todo ano, mais de R$ 200 bilhões financiam corruptos, que roubam de nossos pais, filhos, vizinhos e amigos. São milhares de hospitais e escolas que não serão construídos, ou vidas que deixam de ser poupadas ou melhoradas.

E o que você faz pelo Brasil? Queremos instalar um observatório em cada município brasileiro! Para chegar lá, precisamos de voluntários e de recursos financeiros. Como você pode colaborar com nossa causa?

Clique e saiba mais!

03/07/2016 – 13:00

 

13 thoughts on “Principal

  1. Ação excelente dos maçons em tornar isto público a todos brasileiros, parabéns a todos os irmãos.

  2. Estou de pleno acordo com esta indicação, este candidato tem todo o meu apoio se o seu objetivo for o mesmo da Maçonaria universal, varrer de uma vez por todas este mar de lama ao qual o nosso País se encontra, e mostrar para os demais países que o Brasil é um país Sério.

  3. Queremos devemos e podemos vamos acabar
    com a corrupção no Brasil
    corrupção tem jeito basta querer

  4. Sou totalmente a favor e como e de meu habito colocar em pratica o que aprendemos em loja para tornarmos um mundo melhor na sociedade em que vivemos, politica brasileira, precisamos tambem cobrar mais de perto a postura de nossos semelhantes para que não se desvirtuem com o vicio da corrupção.

  5. Não importa onde estiverem as pessoas de bem, que praticam atos para o bens estar sentidas sociedade, elas podem estar nas igrejas, nas escolas, nas associações, nos quartéis, nos hospitais, em qualquer lugar…todos terão o meu apoio e respeito…

  6. Se cada um de nòs fizer a sua parte, apoiando iniciativas iguais a esta em nossas comunidades, seguramente construiremos uma sociedade mais justa para todos. A Maçonaria Brasileira é Digna o suficiente para carregar esta Bandeira. Nossos agradecimentos.

  7. Parabéns a iniciativa é o que precisamos, me coloco a disposição para a criação de um observatório em Araçatuba-SP, aguardo contato.

  8. Prezados irmãos, a iniciativa sempre da Maçonaria, e sempre bem aceita inclusive pelos profanos maçônicamente falando, tem sido desde muito tempo cotada mesmo sem conhecer o termo “Homens Livres e de Bons Custumes” – tem compartilhado sempre que convidados a contribuirem com nossos eventos “da Maçonaria” em prol das comunidades carentes.
    Ainda, se conseguirmos colocar irmãos sinceros e dedicados no berço da nossa politica que CAÓTICA hoje em dia exposta aos nossos olhos, haja vista pelos resultados evidenciados em todas as esferas da política nacional. Dessa forma, acredito se em sendo nós Homens Livres e de Bons Custumes verdadeiramente falando e enpenhados com os objetivos de uma verdadeira política social a ajudar na melhoria aque se propoe de verdade ao bom estar da comunidade como um todo.

  9. Meu nome é Arnaldo Toral Hidalgo , estou na Ordem Maçonica há 22 anos, sou do GOP.´. com muita Honra , Estou lhes dizendo que Estou e P.´. e O.´. Sempre !! Cordialmetne: Toral .´.

  10. É de imenso prazer e privilégio,saber que no Estado de São Paulo,existem várias lideranças Justas e Ordeiras em um caminha para o Norte e muito sucesso!
    Sabemos que neste mundo de tantas pedras ásperas,mas também sabemos que ainda existem muitas Pedras Polidas e Esquadrejadas,Justas e Ordeiras.Neste mundo de valores invertidos,onde as corrupções impregnam,mas temos que ter a total confiança,que,estes valores irão ressurgir,pois,existem Pedras Polidas,e Deus Criador dará iluminação a todos os Irmãos. Um Tríplice Amplexo Fraternal a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *